Storie Alfa Romeo, sexto episódio: o icónico 1600 Spider “Duetto”

O spider italiano que conquistou Hollywood

Hollywood como destino

“É uma carro que perdoa erros. E também muito bonito.” Foi o que Steve McQueen disse sobre o Duetto no verão de 1966. Em poucas palavras, a opinião de McQueen sintetiza a essência do Duetto e a unicidade da Alfa Romeo: prazer de condução e beleza em estado puro. Um ano depois, um jovem Dustin Hoffman conduzia um Duetto a toda a velocidade ao som das músicas de Simon & Garfunkel no filme “A Primeira Noite”. Imagens icónicas que ficaram gravadas na história do cinema, dando origem a toda uma série de citações, com o Duetto a ser conduzido em centenas de filmes e histórias da TV, tornando-se um objeto de culto por direito próprio.

A Bela Jovem

Foi lançado um concurso de estilo entre dois designers do momento: Bertone e Pinin Farina. A proposta de Pininfarina, desenhada por Franco Martinengo, foi escolhida pela elegância e pelo clássico equilíbrio das formas. “A bela jovem", como Pinin Farina descrevia a viatura, era um concept de puro desportivo, confirmado pelas performances extremamente brilhantes. Ágil, jovem e rápido. O modelo tornou-se um status symbol: amado por pessoas famosas, desejado por todos.

Made in Italy

Para o lançamento nos EUA, a Alfa Romeo organizou um cruzeiro num luxuoso transatlântico, de Génova para Nova Iorque, convidando as mais exclusivas celebridades do mundo do espetáculo, do desporto e da moda. A bordo seguiam 1300 VIP, entre os quais Vittorio Gassman, Rossella Falk e a soprano Anna Moffo. Durante todo o cruzeiro, três exemplares do novo Spider foram extravagantemente expostos no convés do navio: um verde, um branco e um vermelho.

"Duetto" ou "Osso de Choco"?

Encontrar um nome para o modelo só por si já foi uma história. Foi organizado um concurso com prémios em colaboração com todos os concessionários da Europa. A vitória recaiu sobre “Duetto”, mas surgiu um problema relacionado com direitos, o que obrigou a lançar a viatura como Alfa Romeo 1600 Spider. O nome Duetto ficou em segundo plano, mas consolidou-se na memória dos fãs e tornou-se o apelido de todas as gerações do modelo. O Spider de 1966 também era apelidado de “Osso de Choco” pela sua forma elipsoidal, com frente e traseira arredondadas, lados convexos e linha de cintura muito baixa. O Duetto contabiliza mais de 124.000 unidades produzidas em 28 anos: a vida mais longa de sempre para um modelo Alfa Romeo.