Storie Alfa Romeo, sétimo episódio: Alfa Romeo 33 Stradale e Alfa Romeo Carabo.

Os gémeos

Desenhados a partir da mesma plataforma

O 33 Stradale e o Carabo não poderiam ser mais diferentes. Um é todo nervos e músculos, o outro, todo linhas retas e ângulos. A base técnica partilhada destas duas viaturas é a síntese de 50 anos de experiência da Alfa Romeo na competição. Conceção engenhosa e rigorosa, perícia e coragem na escolha dos materiais, estilo que alia inovação tecnológica e criatividade.

O desejo de competir

Em 1964, Giuseppe Luraghi sentiu que era chegado o momento de um regresso oficial às pistas, marcando assim o arranque do Projeto 33. Luraghi pediu à sua equipa uma viatura capaz de competir nas “categorias do momento”, pelo sucesso granjeado junto do público e pela atenção mediática. Dois anos depois, o primeiro 33 de competição começou de imediato a acumular vitórias nos mais prestigiados circuitos, incluindo o Campeonato Mundial de Marcas de 1975 e de 1977.

33 Stradale, das pistas para a estrada

Quando a Alfa Romeo decidiu produzir um número muito reduzido do 33 para clientes privados, foi preciso dar-lhe um novo visual para levar o caráter desportivo do modelo para as estradas. Scaglione dedicou toda a sua perícia técnica e audácia criativa ao projeto do 33 Stradale, dando origem a uma obra-prima em que a inovação estilística se funde com o estudo da aerodinâmica e da funcionalidade. O modelo foi apresentado em Monza, no Grande Prémio de Itália de 1967. Era o automóvel desportivo mais caro do mercado na altura e só foram produzidas 12 unidades com a carroçaria de Scaglione.

Carabo, o automóvel-nave espacial

A pesquisa estilística levou a Alfa Romeo também por outras direções. No Salão do Automóvel de Paris de 1968, foi apresentado um “dream car” que representava a evolução deste conceito radical: o Carabo, desenhado por Marcello Gandini.

Este modelo foi desenvolvido com base na mecânica do 33 Stradale. A altura era igual, mas as linhas arredondadas tinham desaparecido completamente. Tudo no Carabo é aguçado, desde o perfil em cunha até às portas de abertura “em tesoura”. O nome Carabo era inspirado no Carabus auratus, um escaravelho de cores metálicas brilhantes. Na carroçaria da viatura são usadas as mesmas cores: verde fluorescente com pormenores cor-de-laranja. A partir desse momento, a Alfa Romeo começou a dedicar uma atenção particular às cores extravagantes e às técnicas de pintura especiais, para evidenciar ainda mais a unicidade da Marca.